como fazer uma carta de demissão

O que é e como fazer carta de demissão

3 junho, 2017 10:00 am | Criado por | sem comentários | 3 meses

Você, empregador, já deve ter passado pela experiência de escrever uma carta de demissão para um funcionário.

E você, empregado, tenha poucos meses ou muitos anos de carreira profissional, já deve ter se deparado com um colega, com caneta em punho, escrevendo brevemente os motivos que o levaram a decidir pela saída da empresa.

Oras, você talvez esteja com essa dúvida agora mesmo, o que trouxe você a este post sobre o que é carta de demissão e como fazê-la, não é mesmo?

A carta de demissão é, simplesmente, um instrumento de comunicação do qual o colaborador informa à empresa a sua intenção de se desligar de suas atividades profissionais ali, independentemente do motivo — como uma oportunidade de emprego novo, por exemplo.

De outro lado, os empregadores também passam por este mesmo dilema, na hora de comunicar a um empregado que ele foi desligado.

Simples, objetiva e concisa, a carta de demissão é a forma de quebrar o vínculo empregatício que o funcionário possui com a empresa, e vice-versa.

E, por isso, é importante saber detalhadamente como fazer uma carta de demissão, principalmente se você for o empregador.

Confira aqui nossas dicas e um modelo pronto de carta de demissão.

Dicas de marketing

Veja também: Como administrar o tempo: 22 dicas que funcionam

Como fazer uma carta de demissão

Seja você empregador ou empregado, principalmente se se tratar de uma relação regida pela CLT, é muito importante redigir a carta de demissão da maneira correta, para evitar pagar multas e ter clara a questão do cumprimento do aviso prévio.

Cortesia ou obrigatoriedade?

Não é obrigatória a elaboração de uma carta de demissão. Ao menos, nada consta em nossa legislação trabalhista. O instrumento, entretanto, serve como um registro das intenções do funcionário em se desligar da empresa e como uma notificação da empresa ao funcionário.

Nosso conselho: Sim! Redija a carta de demissão e se resguarde de qualquer mal entendido, tanto empregador quanto empregado.

Vale lembrar, inclusive, que o pedido de demissão — em muitos casos — precede a carta de demissão. Essa cortesia, no entanto, é muito importante porque coloca em bons termos o término do contrato empregatício.

O problema é que muitas pessoas acabam criando um caso maior do que o necessário, sem saber como fazer a carta de demissão, isso vale tanto para empregador quanto para o funcionário.

Por isso, reunimos algumas dicas logo abaixo!

Redija, não digite

Como dissemos, a carta de demissão é um registro e, como tal, deve conter a assinatura do colaborador e, mais que isso, a sua caligrafia. Trata-se de uma maneira de trazer ainda mais legitimidade ao documento.

Seja objetivo

Não aproveite o espaço para se queixar, desabafar ou expandir o assunto para além do foco principal: o motivo que o levou a se demitir.

Por isso, trabalhe a objetividade, simplesmente, começando pela sua identificação e número de identidade — questões que facilitam a autenticidade da carta de demissão — e comunique o desligamento, explicando o motivo em seguida.

No caso de empregadores, isso é ainda mais relevante: seja educado, formal e objetivo.

Quer ter acesso a um modelo pronto de carta de demissão? Acesse agora mesmo: Modelo de Carta de Demissão

Fortaleça os laços entre empregador e empregado

No caso dos empregados, há quem diga que uma exceção à objetividade, em uma carta de demissão, é a oportunidade em levantar os pontos positivos de sua experiência na empresa.

Motivos para isso não faltam, principalmente para demonstrar gratidão pelo aprendizado e sair da empresa como entrou: pela porta da frente.

Com isso, você pode aproveitar para acrescentar, em sua carta de demissão:

  • Agradecimento por ter trabalhado naquele local.
  • Agradecimento pela experiência.
  • Expresse a consideração por todos com quem trabalhou.
  • Mantenha a objetividade, sem perder o aspecto positivo da mensagem.
  • Dados de contato para que a empresa entre em contato, diante de eventual necessidade.

E aí? Identificou-se com algo que valha a pena acrescentar em sua carta de demissão?

Siga para o motivo da sua escolha

Por fim, deve-se ser breve ao identificar o motivo — ou os motivos — que motivaram a sua decisão. Nada de se ater a detalhes: se é por conta de uma nova oportunidade de trabalho, limite-se a explicar isso.

A ideia básica, da carta de demissão, é notificar. E isso você pode fazer em poucas palavras, mas sem perder a objetividade e o foco na funcionalidade desse instrumento de comunicação.

Ao fim da página, assine e coloque a data em que foi entregue a carta de demissão, bastando entregar aos seus superiores ou ao setor responsável.

E agora?

Não se esqueça de tirar uma cópia da sua carta de demissão e mantê-la com você. De resto, basta se despedir dos colegas e seguir para uma nova etapa de sua vida com todas as obrigações — e cortesias — devidamente cumpridas!

Quanto a você empregador, uma dica importante:

Se sua empresa precisa redigir política de reembolso, ou contrato de confidencialidade, ou ainda uma política de privacidade, assim como diversos outros documentos como estes, existe uma solução muito prática e viável:

Acesse o portal do Guru PME, um site com diversos modelos de documentos e cartas prontas que vão agilizar o seu negócio e fazer você ganhar muito mais tempo, para poder ganhar ainda mais dinheiro!

São uma série de geradores automáticos, em que você pode preencher alguns campos de formulários para conseguir rapidamente o material que sua empresa precisa sem nenhuma burocracia ou perda de tempo.

Acesse agora: Guru PME

Tempo é dinheiro, confira: Produtividade pessoal: 5 dicas para fazer mais e enrolar menos

E para você, ficou com alguma dúvida a respeito de como fazer a carta de demissão? Compartilhe conosco, no campo de comentários deste post!We Do Logos

Sobre o autor dessa postagem

Gustavo Mota

Fundador e CEO da We Do Logos, 35 anos, formado em design gráfico, pós-graduado em Marketing pelo IBMEC. Trabalha com internet há 17 anos. Possui larga experiência em soluções online e fundou uma das primeiras plataformas brasileiras de crowdsourcing, a We Do Logos. Apaixonado por empreendedorismo, é professor de inovação e planejamento, é mentor de startups, consultor do Sebrae/RJ, colaborador e palestrante da Endeavor além de mentor e palestrante de diversos eventos em todo Brasil como o Startup Weekend, Semana Global de Empreendedorismo, Semana do Micro Empreendedor e Feira de Empreendedorismo.