Como escolher a tipografia ideal para o seu projeto?

22 julho, 2015 5:21 pm | Criado por | sem comentários | 2 anos

A tipografia continua a ser ignorada por muitos designers, embora seja um aspecto muito importante do design. Escolher a fonte correta pode ser o fator decisivo para o bom desempenho de um projeto gráfico.

A tipografia é uma verdadeira arte e não se limita apenas à escolha do tipo de letra. Na verdade, esse é apenas o ponto de partida do trabalho, e outros aspectos incluem a escolha da cor do texto e a sua disposição no layout da página. Tudo isso se soma a um plano de marketing, que vai influenciar bastante o design da marca.

Existem estudos relacionados ao uso das famílias tipográficas, e, embora utilizar fontes seja algo passível de experimentação, é interessante conhecer algumas técnicas que sirvam como impulso inicial. Vejamos neste artigo como escolher a tipografia ideal para o seu projeto!

Fazer uma pesquisa em material já publicado

Uma boa opção na escolha da tipografia ideal é começar analisando o que já foi feito dentro do nicho em que se insere o projeto no qual você está debruçado. É uma revista sobre carros, um fôlder de um bar ou um site sobre moda?

Você notará que cada segmento apresenta um padrão de fontes que são comumente utilizadas. Esse estudo servirá como base, mas não necessariamente como regra a seguir. Você não é obrigado a utilizar uma fonte cursiva de display só porque a Coca-Cola usa e faz sucesso. Reúna material e anote possíveis erros e acertos.

É importante salientar que acertos tipográficos são elementos que tornam a mensagem mais clara; aspectos negativos são ambiguidades e “sujeiras visuais” que dificultam a compreensão do logo ou de uma sequência de caracteres.

Analisar as opções de famílias tipográficas

Existem muitas famílias de tipografia disponíveis. Para estudiosos do assunto, a lista de classificação envolve diversos pontos a serem considerados, que compõem a anatomia das letras, tais como a ascendência, a ligadura, a descendência, as linhas, a altura etc.

No entanto, para nosso objetivo prático, vamos nos focar apenas as quatro categorias básicas de fontes tipográficas, que são mais úteis para compreender quando escolher a fonte mais adequada e combiná-las de forma correta no seu projeto.

1. Fontes com serifa

As serifas são aqueles tracinhos que dão continuidade às extremidades das letras. Geralmente, transmitem mais seriedade ou tradição à escrita, por isso são muito usadas em textos de leitura corrida, principalmente impressos.

Exemplos mais comuns desse tipo de fonte são a famosíssima Times New Roman e as também bastante usadas Georgia e Cambria, além de suas próprias variedades.

2. Fontes sem serifa

Outra categoria tipográfica bastante comum são as fontes sans-serif (sem serifa), que, ao contrário das anteriores, não possuem esses tracinhos. Dessa forma, elas transmitem a sensação de serem mais modernas e simplificadas.

Bons exemplos destas fontes são a também famosíssima Arial, além de Verdana e Calibri, entre outras. Devido a sua sofisticada simplicidade, são preferidas para textos da web, por deixarem a mensagem mais nítida e clara.

3. Display ou decorativa

É o tipo de fonte que possui um objetivo preciso: chamar atenção! Por esse motivo, é usada em alguns títulos, logotipos e informações que precisam de destaque visual, isto é, mensagens que precisam ser mais chamativas do que propriamente legíveis.

Devem ser usadas em doses homeopáticas e apenas para efeitos ou propósitos bastante específicos, pois, usadas incorretamente, acabam por estragar todo o visual da peça. A famosa fonte Comic Sans é um exemplo clássico dessa categoria, e surgem diariamente centenas de outras, especialmente baseadas em marcas já consagradas ou no logo de filmes, bandas, programas de TV etc.

4. Script

Outra categoria que deve ser usada com cautela, as fontes do tipo script são também chamadas de cursivas ou manuscritas. Geralmente, elas possuem letras que se conectam, tais como quando escrevemos algo a mão.

Elas vêm em diferentes estilos, desde tipos elegantes, alguns engraçados e casuais, até outros mais “artísticos”. Exemplos destas fontes são a Corsiva, a Scripts e a Lucida Handwriting.

Entender que tipo de mensagem você quer transmitir

Essa também é uma das primeiras preocupações na hora de escolher a fonte adequada ao seu projeto, pois a mensagem transmitida de forma clara e que cumpra com seu objetivo é o principal propósito de todo o design.

Cada tipo de fonte possui seu próprio estado de espírito e personalidade. Ela pode ser séria, casual, divertida ou elegante. Por isso, é necessário determinar o que uma fonte específica está querendo dizer e de que forma ela pode se ajustar ao seu design.

Se as características que a fonte estiver comunicando não corresponderem à mensagem do seu design global, então haverá uma desconexão visual para os usuários da peça, e isso é a última coisa que deseja um designer.

Quando estiver fazendo sua pesquisa por fontes, pode ser uma armadilha ver todas aquelas opções divertidas e interessantes, mas não deixe seus gostos pessoais interferirem na escolha. Uma fonte que você pense ser elegante e distinta, muitas vezes, pode não ser útil ou apropriada para determinado projeto em que você esteja trabalhando.

Escolher a tipografia ideal para o seu projeto

A melhor tipografia para o projeto será aquela que se mostrar mais apropriada para tal. Parece ridiculamente óbvio, mas muitos designers se perdem neste simples quesito. Nem sempre aquela tipografia que parece ser a melhor e que preenche com maior eficiência os espaços da diagramação será a escolhida, por erro de planejamento do profissional. As necessidades do público e as exigências do cliente devem sempre ser levadas em consideração, e esse é um bom ponto de partida.

O objetivo de escolher a tipografia correta é engajar a audiência, independentemente de que produto esteja sendo comercializado ou qual informação esteja sendo transmitida. A finalidade que deve ser atingida pela peça de design é de passar uma mensagem clara, de forma que ela se fixe na mente do consumidor.

Tipografia não pode ser categorizada como boa ou ruim, mas sim como apropriada ou inapropriada. Um tipo de fonte não deveria ser escolhido até que se torne claro quem será o público leitor do texto e quais as mensagens que a peça está tentando transmitir.

Tente responder a estas questões para analisar a escolha da tipografia ideal:

  • Sua tipografia é adequada ou conveniente para o projeto como um todo?
  • A fonte escolhida para o design possui versatilidade (isto é, ela permite diversas configurações, como negritos, itálicos, entre outros)?
  • Sua tipografia possui uma fonte legível (considere o espaçamento, o tamanho, a altura, a semelhança entre certos caracteres etc.)?
  • É possível fazer combinações de fontes de forma a manter a harmonia da peça?

Enfim, escolher a tipografia ideal para um projeto vai ser um diferencial de um designer profissional. A prática e a experiência contam muito também, além dos conhecimentos técnicos, que se aliam à criatividade inerente à profissão.

E então, percebeu a importância de saber escolher uma boa tipografia? Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais e mostre a todos que você está por dentro desse assunto!

Sobre o autor dessa postagem

We Do Logos

Um pouco de Marketing, Design, Empreendedorismo e muita Inovação é o que você vai ver por aqui! Boa Leitura