inovação nas empresas

A era da inovação nas empresas com os intraempreendedores

5 outubro, 2017 11:38 pm | Criado por | sem comentários | 2 semanas

Quando o assunto é inovação nas empresas, muito se fala em inovação disruptiva para exemplificar organizações de sucesso que conseguem não só se destacar no mercado, como também transformar totalmente a relação dos consumidores com um produto ou serviço.

Criar algo completamente novo que modifique o seu mercado de atuação parece ser o principal objetivo de quem gerencia os departamentos de inovação nas empresas, porém transformações internas podem ser o grande trunfo de uma empresa para se destacar em cenários econômicos cada vez mais competitivos e saturados.

Nesta postagem, vamos falar de outro fator muito importante para as empresas inovadoras: os funcionários intraempreendedores.

Saiba mais: 8 grandes eventos de empreendedorismo em 2017

A inovação nas empresas e o papel dos intraempreendedores

Inovações disruptivas não são fáceis nem comuns, por isso, a inovação nas empresas precisa ir além do óbvio constantemente.

Cada vez mais valiosos para criar um ambiente inovador, os funcionários intraempreendedores possuem características de produtividade somadas à inovação, qualidade e muita curiosidade sobre as últimas tendências de marketing, gestão e negócios.

Ou seja, são funcionários com características de empreendedores que trazem inovações através de ideias de melhorias ou de transformações internas, e não necessariamente com uma ideia disruptiva diretamente.

Esse profissional precisa, essencialmente, ser comercial, dinâmico e estratégico, além de, principalmente, desenvolvera sua autonomia trazendo ideias e resultados de forma proativa, ou seja, sem que um superior hierárquico realmente tenha feito essa solicitação para ele.

Os “empresários de uma organização” são extremamente valiosos, pois mesmo que não sejam  um dos fundadores da empresa, aprenderam a aplicar os princípios essenciais do empreendedorismo aos papéis que preenchem dentro da organização.

Uma grande maneira de incentivar a inovação nas empresas é valorizar o seu capital humano e estimular o desenvolvimento desses intraempreendedores. Conheça algumas das principais características desses funcionários tão importantes:

Características dos empreendedores

  • Eles pensam e se comportam como donos da empresa;
  • Quando se trata de uma ideia integrante, o que era apenas uma semente germina dentro da mente de um intraempreendedor. Esse desejo de descobrir como colocar uma ideia em prática é fundamental para gerar uma real inovação nas empresas, já que seu potencial empreendedor permite que eles criem um conjunto ainda melhor de planos alternativos e otimização de processos.
  • Esses funcionários não temem a mudança nem a possibilidade de fracassar já que não são somente estímulos externos que os impulsiona, mas sim confiança e coragem internas de que cada pequeno passo os aproximam de seu objetivo final.
  • Essa confiança, porém, vem acompanhada de humildade, integridade, respeito, crença na empresa, em seu departamento e no mercado em que atua, agindo como empresários em ascensão.

Veja também: Estatísticas sobre empreendedorismo, como se sai o Brasil?

Além de identificar e motivar esses funcionários, as empresas precisam também criar um ambiente favorável para o surgimento de novos colaboradores com essas mesmas características, inclusive definindo critérios de promoção para esses funcionários.

Para começar, uma empresa fundada com uma ênfase empreendedor torna-se um imã para mais do mesmo. Os funcionários recomendam a empresa a outros que compartilhem seus valores.

A busca por esse tipo de inovação nas empresas valerá o esforço, já que os ecossistemas do mundo de trabalho de amanhã serão impulsionados pelo crescente número de intraempreendedores.

Confira: 2 vídeos de empreendedorismo para quem quer abrir um negócio

Conheça dois exemplos de inovação nas empresas a partir de intraempreendedores

Grandes empresas são constituídas de grandes profissionais. Confira dois cases em que o papel de um funcionário intraempreendedor faz toda diferença na hora de inovar e trazer resultados incríveis para o negócio.

Shutterstock

Anualmente, a Shutterstock realizada um Hack-A-Thon, reunindo programadores, designers e demais profissionais envolvidos com desenvolvimento de software para uma maratona de programação de 24 horas.

O evento é focado nos funcionários, para que consigam potencializar as ideias que surjam para a empresa, como a criação de projetos livres que possam realmente ser aplicados, além de inovadores.

SONY

O engenheiro Ken Kutaragi não é conhecido como “o pai do Playstation” à toa. O console nasceu após ele insistir que investir em consoles era uma boa ideia para a SONY. Tudo começou com o surgimento do Mega Drive 16 bits que dominava esse mercado nos Estados Unidos.

A Nintendo, por sua vez, resolveu também conquistar sua fatia desse setor econômico, porém não possuía a tecnologia necessária para isso.

A saída para a empresa foi fechar uma parceria com a SONY, possibilitando o desenvolvimento de um chip de áudio melhor que o do Mega Drive. Por divergências entre as duas partes, o contrato foi cancelado, mas Ken Kutaragi não hesitou em sugerir que a Sony desse continuidade ao projeto sozinha.

Ele apresentou todo o potencial da ideia aos seus superiores diretos, como um empreendedor que defende obstinadamente o produto que pretende levar ao mercado. A visão empreendedora desse gestor resultou no Playstation, um dos maiores sucessos do mercado de games do mundo.

Veja mais: 3 infográficos sobre empreendedorismo: no Brasil e no mundo

Que achou dessas dicas de inovação nas empresas geradas pelos próprios funcionários com um perfil empreendedor? Você conhece outro case semelhante?

Compartilhe com a gente nos comentários.

We Do Logos

Sobre o autor dessa postagem

Gustavo Mota

Fundador e CEO da We Do Logos, 35 anos, formado em design gráfico, pós-graduado em Marketing pelo IBMEC. Trabalha com internet há 17 anos. Possui larga experiência em soluções online e fundou uma das primeiras plataformas brasileiras de crowdsourcing, a We Do Logos. Apaixonado por empreendedorismo, é professor de inovação e planejamento, é mentor de startups, consultor do Sebrae/RJ, colaborador e palestrante da Endeavor além de mentor e palestrante de diversos eventos em todo Brasil como o Startup Weekend, Semana Global de Empreendedorismo, Semana do Micro Empreendedor e Feira de Empreendedorismo.