design corporativo

Design corporativo: por que fazer e qual a sua relevância

3 agosto, 2017 8:00 pm | Criado por | sem comentários | 2 semanas

Quem trata o design corporativo como uma mera etapa burocrática para colocar sua empresa no mercado está fadado a ver sua marca cair no esquecimento do público-alvo e perder muitos negócios.

Em parte, porque a identidade visual de uma empresa é mais que uma ferramenta de comunicação: é o DNA da sua marca. E quando o empreendedor compreende a relevância disso para atingir seus resultados, as chances de criar um legado que vai durar muito para o consumidor são muito maiores.

Quer saber como desenvolver o design corporativo de sua empresa? A seguir, separamos algumas dicas bastante relevantes e que todo empresário deveria pôr em prática.

Saiba mais: Orçamento identidade visual: veja como fazer pela internet

Design corporativo: a importância de se diferenciar

O design corporativo usado por sua empresa será a maneira pela qual seu público vai identificar sua marca, seus diferenciais e o seu posicionamento de mercado.

Assim, na hora de criar seu logo, escolher as cores de sua empresa, os tipos de letras que vai empregar, as formas e os grafismo que vão compor a identidade visual de sua  marca, tenha os cuidados necessários para alcançar os melhores resultados.

É fundamental que todos estes elementos de design correspondam aos valores e a oferta de valor que sua empresa quer passar para seu público.

Veja também: Crie sua identidade visual online em sites de concorrência

Como construir uma identidade com o design corporativo

Quer entender a importância de um design corporativo? Então, pense em quantas marcas você consegue se lembrar do logotipo, de suas cores predominantes, da linguagem e do tom de suas peças de comunicação…

Tudo é influência direta do cuidado tomado em construir uma identidade visual corporativa. Para o consumidor, isso se traduz em lembrar, imediatamente, de uma empresa e não em outra. A sua, de preferência!

Consequentemente, você trabalha um relacionamento muito mais sólido com o seu público-alvo. Não se trata, portanto, de escolher as cores que chamem mais atenção, mas em aproximar os seus valores daquilo que o seu consumidor mais procura — e em cumprir as promessas feitas por esses valores explícitos em seu design corporativo.

Confira: Identidade visual e logo: a imagem da marca para seu público

Como elaborar um design corporativo

Tudo se inicia na história de sua própria empresa e nos valores que você mais preza e utilizou para construir a sua marca.

Isso, consequentemente, deve transbordar em seu design corporativo, trabalhando a mensagem com coerência, transparência e objetividade.

Usualmente, você deve trabalhar os seguintes elementos e definir as melhores formas de refletir seu posicionamento de marca, seu branding, em cada um deles:

Logotipo

É o símbolo de sua empresa, aquilo que o consumidor e a concorrência vão usar para reconhecer, de imediato, o que — e quem — ele representa, posicionando sua marca em seus corações e mentes.

Paleta de cores

Trata-se da escolha de cores que melhor traduzem a essência de sua empresa, Ela vai acompanhar, inclusive, a sua marca em todo tipo de comunicação, tanto interna quanto externa, expondo em cores as melhores qualidades do seu negócio.

Saiba mais: Estudo das cores na publicidade: você sabe como aplicá-las?

Baixe também estes infográficos:

Tipografia

Além das cores, as fontes também importam bastante na mensagem passada ao público. Para o design corporativo, é importante que ela seja clara e funcione bem em todo tipo de impressão para gerar a fácil compreensão de quem estiver lendo.

Além disso, diferentes tipos de fontes de letras passam diferentes mensagens. Letras mais grossas trnsparecem solidez; mais finas passam a ideia de cuidado e tecnologia; tipos itálicos (inclinados) costuma ser usados para indicar movimento e velocidade.

Saiba tudo sobre este assunto nesta postagem de nosso blog: Acerte nas letras de logos para a marca de uma empresa

Linguagem

Pense em como a Harley Davidson, o McDonalds, a Apple e outras marcas se relacionam com o seu público e perceberá que cada uma adota uma mensagem e tons específicos.

Pois o mesmo deve ser feito em sua empresa, visando gerar uma identificação cada vez mais profunda com o público. E isso pode ir desde o atendimento presencial aos comunicados internos e campanhas publicitárias, primando pelas coerência, coesão e transparência. Isso tudo influencia no design corporativo e na forma de sua empresa ser entendida pelos consumidores e clientes.

Veja mais: Identidade visual: a fotografia do seu negócio!

Como começar a construir o design corporativo

Como deve ter dado para perceber, o design corporativo se estende entre os principais aspectos da fundação da sua empresa, e ele estará presente em todos os canais de comunicação.

Além disso, ele funciona como uma verdadeira representação da personalidade do seu negócio. Aquilo que você deseja que os clientes e clientes em potencial percebam, e se relacionem cada vez mais com essas qualidades.

Para isso, é importante começar internamente, expondo aos colaboradores tudo aquilo que você deseja transmitir em sua empresa. Consequentemente, eles passarão a aplicar em todas as etapas produtivas.

Quando esses valores já estiverem impressos no dia a dia deles, a exteriorização vai ser uma simples e natural consequência do bom trabalho promovido internamente. Logo, é de se esperar que parceiros, fornecedores, a concorrência e, claro, os consumidores percebam isso.

Confira também: Quanto custa uma identidade visual?

Deu para entender a grande relevância do design corporativo e como trabalhar isso desde os primórdios de sua empresa? Caso tenha alguma outra dica para promover esse trabalho e destacar cada vez mais a sua marca no imaginário do consumidor, compartilhe conosco, no campo de comentários!

We Do Logos

Sobre o autor dessa postagem

Gustavo Mota

Fundador e CEO da We Do Logos, 35 anos, formado em design gráfico, pós-graduado em Marketing pelo IBMEC. Trabalha com internet há 17 anos. Possui larga experiência em soluções online e fundou uma das primeiras plataformas brasileiras de crowdsourcing, a We Do Logos. Apaixonado por empreendedorismo, é professor de inovação e planejamento, é mentor de startups, consultor do Sebrae/RJ, colaborador e palestrante da Endeavor além de mentor e palestrante de diversos eventos em todo Brasil como o Startup Weekend, Semana Global de Empreendedorismo, Semana do Micro Empreendedor e Feira de Empreendedorismo.