6 regras de ouro para aprender a empreender

Aprender a empreender é saber evoluir e aprender profissionalmente a melhor maneira de criar e geris uma empresa, um novo negócio. Usualmente, os novos empresários são pessoas animadas, que desejam fazer tudo diferente do que já viram antes, mas, infelizmente, são muito passíveis de cometer erros. E isso é normal! Exatamente para que você possa aprender a empreender, separamos 6 tópicos importantíssimos, verdadeiras regras de ouro para seguir e se aperfeiçoar cada vez mais!

11 - eBook - Guia definitivo marketing startups-CTA-600x200px

Saiba mais: Turbine seu negócio com estas 14 dicas de empreendedorismo

6 regras fundamentais para aprender a empreender

Aprender a empreender: erros a evitar
aprender a empreender

O que acontece muitas vezes é que a maioria dos empreendedores, principalmente de pequenas empresas, têm o hábito de tocarem seu negócios na base da tentativa e erro. O lado bom disso é a flexibilidade, o que dá uma boa margem de manobra, mas também gera erros e consequências ruins que podem ser facilmente evitadas.

Abaixo, veja alguns dos principais erros cometidos pelos empreendedores que viraram chefes e como desviar-se deles.

Dica: quer empreender? Você precisa conhecer o Guru PME.

Ignorar as exigências do mercado

Alguns empreendedores fracassam porque ignoram as tendências do mercado. É preciso saber se as pessoas estão dispostas a comprar o seu produto ou contratar seu serviço e qual é a melhor maneira de posicionar sua marca para atingir o maior número de clientes.

Saiba que é preciso levar em consideração mais do que apenas as suas ideias. É muito importante também conhecer as exigências do mercado e saber o que as pessoas esperam de você.

Exagerar na informalidade

Alguns empreendedores acham que porque são pequenos podem tratar os clientes e funcionários como se fossem velhos amigos. Nessa situação, as pessoas podem se aproveitar da boa vontade do empresário e vice-versa.

Agindo dessa forma, a tolerância ao erro aumenta, as pessoas se acostumam a produzir pouco, atrasar entregas e demorar para pagar, pois se sentem negociando com um amigo que não se irrita com pouca eficiência.

Por isso, tenha o mínimo de profissionalismo e saiba separar a amizade dos negócios para que seu negócio possa prosperar.

Perder o foco

Quando a empresa cresce e dá bons resultados, o risco de perder o foco aumenta consideravelmente. O problema de mudar o foco do produto ou serviço, oferecendo algo diferente, mas que não é sua especialidade, é que a qualidade pode cair muito. Isso pode fazer com que as vendas diminuam, comprometendo o negócio.

Por isso, mantenha o foco naquilo que você sabe fazer bem e só diversifique a linha de produtos depois de uma pesquisa e análise rigorosas.

Não saber lidar com as dificuldades

Esta é uma das mais importantes regras para quem quer a prender a empreender: Quando se abre um negócio próprio, muitas vezes a carga de trabalho é bem maior do que quando se trabalha para outras empresas. O empreendedor deve ter em mente que nos primeiros meses, ou até mesmo nos primeiros anos, lucrará menos e correrá muito mais riscos.

Por isso, é preciso ter uma personalidade que tolere e entenda essas dificuldades, pois assim, as chances de sobreviver a elas com maturidade e paciência e ser bem sucedido são maiores.

Não investir na identidade visual

A identidade visual é uma parte de vital importância que muitos empreendedores negligenciam. Muitos até deixam essa importante responsabilidade nas mãos de pessoas pouco profissionais, que podem desenvolver projetos de baixa qualidade e comprometer suas imagens.

Uma empresa com um logotipo e identidade visual fortes, que condensem todas as características do negócio de maneira simples e objetiva, fazem toda a diferença na hora de conquistar o cliente, pois fazem com que as pessoas se identifiquem mais facilmente com a marca, além de transparecer profissionalismo e seriedade.

Um exemplo disso é nosso cliente, o restaurante carioca Point do Macarrão. Tudo começou quando os sócios decidiram investir em identidade visual e escolherem fazer seu logotipo com a We Do Logos. O resultado foi tão positivo que os empresários decidiram desenvolver diversas outras peças de comunicação, como uniformes, cardápios, embalagens etc.

Assiste ao Vídeo Case com o depoimento desses empreendedores de sucesso:

Veja também: Como ser um empreendedor: os segredos que não te contaram!

Aprender a empreender: mais um exemplo de sucesso

Bel Pesce, “a menina do Vale”, juntou-se a outros colaboradores e lançou o livro “Empreendedorismo inovador: como criar startups de tecnologia no Brasil” que ressalta pontos primordiais, como conhecimento de finanças e marketing que são necessários antes de para abrir uma startup. Com certeza, quem quer aprender a empreender precisa ler este livro! Veja a seguir algumas lições que servem de base para quem quer se tornar um empreendedor inovador.

Você provavelmente já ouviu falar em Bel Pesce, a empreendedora brasileira de sucesso que ficou conhecida com a menina do Vale, se não, você pode conferir no vídeo abaixo um pouco da trajetória profissional e entender porque ela se tornou uma fonte de inspiração para tantos empreendedores.

O formato colaborativo permitiu que empreendedores, consultores em inovação e negócios, acadêmicos e especialistas compartilhassem com os leitores seus conhecimentos e experiências. Ao todo são 25 autores que trazem relatos e casos reais de sucesso ou não.

aprender a empreender

O livro é destinado a qualquer indivíduo que deseje empreender, seja jovem ou executivo, gestor ou investidor-anjo. Aqueles que pretendem empreender, ou aqueles que já são empreendedores encontrarão no decorrer das páginas lições importantes. O formato também contribui para uma leitura livre, é possível ler o livro fora da sequencia, uma vez que cada capitulo foi escrito por um autor diferente sem que aja continuação entre um e outro.

aprender a empreender

Assuntos como inovação, vendas, capital, mentoring, estrutura para startups, dentre outros, são abordados por especialistas em cada capitulo.Nomes como Cassio A.Spina, especialista em startups, Rogério Chér, fundador da primeira Empresa Júnior do Brasil, a Empresa Júnior da Fundação Getúlio Vargas, e Sérgio Risola, diretor-executivo do Cietec, são alguns dos 25 autores do livro.

A você que empreende ou deseja aprender a empreender, indicamos a leitura!

Confira: GUIA: O que é empreendedorismo, tudo que você queria saber

Aprender a empreender: princípios que você precisa conhecer!

Muitos empreendedores têm grandes ideias, mas, em contrapartida, não têm nenhuma pista de como fazer o negócio ser rentável de alguma forma.

Para alguns websites ou aplicativos, se a ideia for realmente boa, você pode ter sorte e vender bastante se tiver um pico de interesse. No entanto, a maioria das empresas precisa um bom planejamento, de uma vantagem competitiva e um sólido plano de negócios para ser bem sucedida.

aprender a empreender

O presidente e co-fundador do site de viagens Getaroom.com, Bob Diener, tem mais de 25 anos de experiência no mercado de viagens e dá alguns conselhos para quem deseja empreender com sucesso em seu próprio negócio. Confira abaixo.

Tenha expectativas realistas

Enquanto ter bastante entusiasmo e fé são necessários para planejar seus negócios, você precisa equilibrar esses pensamentos com realismo. Assim, suas projeções não devem ser totalmente otimistas. Dessa forma você pode gerenciar melhor suas expectativas e as dos seus sócios.

Considere o tipo de negócios, a indústria e planeje um valor realista de vendas e de juros para que possa gerir suas finanças de uma maneira mais conservadora.

Além disso, você está investindo na publicidade para atrair mais clientes? Lembre-se de que investir apenas em publicidade não funciona, e que você precisará atrair seu público por outros canais e até mesmo pelo poder das referências do “boca a boca”.

Com o Getaroom, Diener compreendeu que o mercado de hospedagens é enorme, podendo gerar grandes receitas se ele encontrasse um nicho, porém, suas projeções iniciais foram modestas e ele acompanhou as despesas de perto.

Tenha propostas de valores claras

Seu produto ou serviço deve oferecer um valor que vá além da sua própria opinião, afinal, quando se está mergulhado nos negócios, o empreendedor pode sentir que tudo gera valor para seus clientes.

Você pode reunir alguns conselhos de fora pra ter certeza de que o valor é facilmente identificado pelo público. Se a proposta de valor não é clara, então você pode estar levando seu negócio no rumo do fracasso.

A proposta de valor do Getaroom.com é baseada em bons preços e altos serviços. Em um mercado com taxas similares, como é o de hospedagem, empresas que oferecem preços reduzidos e bons serviços são realmente capazes de ter destaque.

Ofereça vantagens únicas

O diferencial é um dos mais importantes conceitos que deve se dominado por quem quer aprender a empreender. Seu produto ou serviço traz algo novo ao seu público? Se as pessoas já possuem o que você está oferecendo, podem conseguir gratuitamente ou adquirir facilmente na concorrência, então, como você espera se destacar? Seus clientes serão capazes de discutir suas vantagens competitivas?

O Getaroom se destaca porque apresenta um novo modelo de reserva de quartos de hotel: possui um programa de taxas que oferece descontos de ate 70% nas tarifas padrão de milhares de hotéis parceiros, entre outras vantagens que ajudam o cliente a planejar melhor suas viagens.

Encontre seu nicho em um grande mercado

Saber da sua proposta de valor e dos seus atributos únicos irá ajudar você a decidir onde se encaixar no mercado. O Getaroom não oferece todos os hotéis do mundo, mas oferece taxas inéditas de dezenas de milhares dos melhores.

Em grandes mercados em expansão, há sempre uma proposta de valor a ser encontrada em nichos que podem oferecer um serviço atraente.

Desenvolva um modelo de negócios sólido

Um empreendedor pode oferecer um produto exclusivo e que tenha um tremendo valor, mas se o plano de negócios não é sólido, isso não valerá de nada.

Um plano econômico não é, obviamente, garantia de sucesso, mas é necessário e pode transformar o fracasso em uma experiência, ao invés de ser um catalisador para a ruína financeira. Além disso, um modelo sólido não significa que você não possa desviar-se dele e inovar.

Atraia clientes de forma eficaz

Uma vez que você tiver o produto ou serviço e um plano de negócios sólido, você precisa atrair os clientes para as compras. Como mencionado antes, somente a publicidade tradicional geralmente não funciona.

Procure por promoções ou concursos baratos, use as mídias sociais como outra forma de baixo custo para atrair consumidores e incentive conversas sobre sua marca.

Um exemplo para quem quer aprender a empreender é criar materiais de comunicação de forma bastante ágil, com qualidade e bom preço, por meio de sites de concorrência criativa. Veja aqui este projeto de criação de logotipo para a empresa Doris Aun, de paisagismo, que recebeu 25 propostas de logotipo de 9 designers do site We Do Logos!

Aprender a empreender: como conseguir um sócio?

O empreendedor que tem uma ideia e quer montar seu próprio negócio precisa resolver vários assuntos e passar por várias etapas. Muito pode ser adiantado uma vez que tenha um sócio que, de alguma forma, ajude no trabalho. Veja a seguir as principais dicas para encontrar o sócio ideal.

aprender a empreender

Necessidade do sócio

Em primeiro lugar, é preciso descobrir se realmente você necessita de um sócio. Apesar de todas as dificuldades, é bem possível tocar uma idéia sozinho. Entretanto, alguns modelos precisam ser compartilhados, além de ter o problema do capital.

Capital

Alguns empreendedores nem sempre possuem o dinheiro suficiente para começar seu negócio. Outros recursos também podem ser necessários, sejam eles financeiros ou humanos. Neste momento, é preciso um sócio que lhe auxilie nessa parte. Seja conseguindo o dinheiro ou com a mão-de-obra para isto.

silhueta-empresario
Confiança

Confiança é fundamental. Uma vez que haja segurança de ambas as partes, o trabalho pode fluir. Se esta confiança é conquistada aos poucos, o ritmo de desenvolvimento também é mais devagar.

Personalidade

Especialistas dizem que o negócio é como um casamento, pois você vai passar muitos anos ao lado de seu parceiro. Se tudo correr bem, uma vida toda. Você e seu sócio precisa ter personalidades compatíveis para evitar transtornos. Se a realação não for boa, o casamento será difícil. Se precisarem se separar, custará caro e ainda será doloroso.

Paixão

A sociedade deve ser como um casamento e ambos precisam ter paixão. Paixão pela ideia e pelo trabalho. É preciso comprometimento para que o negócio prospere e haja bons frutos.

aprender a emprender
A partir destas dicas, é possível encontrar um sócio para seu negócio. Ambos precisam estar comprometidos e visando um futuro comum. E, é claro, arrume um sócio que também esteja disposto a sempre aprender a empreender cada vez mais!

Veja mais: O que é marketing empreendedor?

Aprender a empreender: conseguindo investidores

Confira as dicas de Alice Dourado, neste post publicado no site da Endeavor Brasil: Startups: preparando a casa para receber investidores. Se você realmente quer aprender a empreender, preste atenção a estas informações:

1. Estrutura Societária

Grande parte dos empreendedores monta o seu negócio já planejando a entrada do primeiro investidor. Não apenas pelo aporte de recursos financeiros, mas também (ou principalmente) pelo valor intangível que o investidor traz consigo, como consultoria estratégica, rede de relacionamentos, melhoria da governança, entre outros. No entanto, é muito comum as empresas não estarem prontas para receber o investimento, o que pode tornar o negócio menos atrativo (e igualmente menos valioso) e até mesmo afugentar o investidor.

Para as startups interessadas em sua primeira rodada de investimentos, seguem dicas de 4 importantes pontos a serem observados antes de sair à busca do investidor.

Se ainda não houver, forme uma pessoa jurídica, essencialmente na forma de sociedade limitada ou anônima. A sociedade anônima em muitos casos é a estrutura preferida pelo investidor, não só pela flexibilidade na captação de recursos (admissão de emissão de ações preferenciais e bônus de subscrição, por exemplo), como pelo afastamento dos riscos fiscais quando a entrada do investidor envolver o reconhecimento de ágio.

Formalize todos os acordos e compromissos com os fundadores, pessoas-chave e investidores-anjo, promovendo todas as transferências e ajustes de participação antes da entrada do investidor. Especial atenção deve ser dada àqueles que participaram do desenvolvimento do negócio no início, mas que não estejam mais na sociedade. O ideal é documentar todos os combinados, para evitar discussões após a companhia começar a fazer os seus milhões (vide caso do Facebook).

2. Propriedade Intelectual

Para a maioria das startups, principalmente aquelas voltadas ao setor de tecnologia, a propriedade sobre suas criações é um dos principais ativos. Sendo assim, transfira para a sociedade todos os direitos de propriedade intelectual que tenham sido originalmente desenvolvidos e/ou registrados por seus fundadores. Neste processo, certifique-se de que os fundadores são realmente os titulares de tais direitos e que ex-empregadores ou parceiros não tenham direito sobre a tecnologia, marca ou outras criações.

Proteja os segredos do seu negócio e evite dúvidas sobre a titularidade de sua propriedade intelectual. Assegure-se de que desenvolvedores, fornecedores, prestadores de serviços e empregados assinem termos de confidencialidade e reconheçam pertencer à sociedade todo e qualquer direito de propriedade intelectual que seja gerado no âmbito dos seus respectivos contratos.

Se a sua startup tiver uma tecnologia patenteável, e se a obtenção de patentes for uma parte importante de sua estratégia, gerencie cuidadosamente todas as publicações e apresentações sobre a tecnologia, já que qualquer comunicação ao público pode prejudicar a “novidade” de uma invenção, que é um dos requisitos para que se obtenha uma patente.

Registre o domínio de internet e a marca do seu produto ou serviço o quanto antes. É comum que o processo de registro de uma marca no INPI leve mais de dois anos. Para evitar incerteza, é recomendável realizar buscas prévias com auxílio especializado, a fim de assegurar que seus investimentos sejam feitos em marcas que efetivamente possam se tornar propriedade exclusiva de sua startup e não gerem conflitos com proprietários de marcas já existentes.

3. Aspectos Trabalhistas

Entenda as diferenças e os riscos inerentes à contratação de prestadores de serviços e empregados. Contratações em desrespeito à legislação trabalhista podem gerar contingências e reduzir o valor da empresa. Além disso, alguns investidores têm como política não investir em companhias que não contratam seus empregados formalmente.

Formalize todas as condições da contratação por escrito, especialmente remuneração, benefícios, obrigações de confidencialidade, não competição e não solicitação e titularidade da propriedade intelectual desenvolvida. Destaque especial às regras sobre não competição, que devem ser restritas e observar os parâmetros admitidos pelos tribunais.

4. Contratos

De nada adianta ter um belo e vencedor modelo de negócios se os riscos a ele inerentes não estiverem devidamente alocados entre a empresa, seus fornecedores e clientes. Não menospreze a importância dos contratos para a devida alocação destes riscos. E embora seja prática recorrente o emprego de contratos ou termos de uso genéricos disponíveis na internet, é importante entender que estas minutas podem não se aplicar a todos os tipos de negócios e que a avaliação por um especialista pode reduzir a dor de cabeça no futuro.

Se você quer saber ainda mais sobre com aprender a empreender, leia a postagem abaixo:

Confira também: Guia do Empreendedor: Aprenda como aumentar as vendas

Aprender a empreender: como falar em público

Fomos buscar mais informações para você neste artigo da revista Exame.

A adrenalina sobe, o ritmo da respiração aumenta e o sangue flui para os membros inferiores. Sim, mais sangue nas pernas e menos no cérebro, justamente no momento em que você mais precisa dele.
Este cenário é uma amostra do que acontece no corpo de quem tem medo de falar em público e está prestes a fazer uma apresentação. E não são poucos os profissionais que sofrem ao encarar uma plateia. 
E quem passa por este turbilhão físico antes de uma apresentação sabe que é inevitável  a perda de foco: a atenção volta-se menos para a mensagem que será transmitida e mais para a necessidade de se acalmar.
Nesse ponto, o temido “branco” é um companheiro indesejável, porém, frequente. 
Mas como superar o medo de falar em público e fugir do fracasso anunciado? De acordo com os dois especialistas, três atitudes são essenciais. Confira quais:
1ª Regra Encare a apresentação/discurso como uma oportunidade
“Quando a pessoa se força a conscientemente encarar a apresentação como uma oportunidade, há a quebra deste modelo de pensamento em que falar em público é uma ameaça”. Ao sintonizar a atenção ao eventual sucesso resultante daquela oportunidade, o corpo recebe a situação de outra forma. “A postura é outra e desperta outros tipos de reação”, afirma Adas.
Motivação, euforia, animação e contentamento são alguns dos sentimentos estimulados por esta mudança de atitude e resultam em mais foco na mensagem da apresentação.
No livro, “A Arte de Falar em Público”, o professor Stephan Lucas diz também que a melhor forma de vencer o nervosismo negativo é estimular pensamentos e imagens mentais positivas. “Para cada pensamento negativo, é preciso criar cinco positivos”, escreve Lucas.
2ª Regra Treine, treine e treine mais um pouco
Quem sabe tudo a respeito do conteúdo da apresentação não teme. Por isso, dominar o conteúdo, conhecer todo o roteiro e as informações de cada slide são ações fundamentais para se sair bem na hora H.
As sensações do apresentador que faz o dever de casa são a de dever cumprido e de controle total. “Aqui na SOAP nós fazemos simulações da situação real para que o apresentador treine todos os aspectos”, diz Chequer.
Mas lembre-se, o primeiro passo de uma apresentação é ter um bom conteúdo a transmitir. “Não adianta estar bem treinado se não tem história. Ela precisa ter começo, meio e fim e servir a um objetivo bem claro. Quando a pessoa sabe que tem em mãos um bom material, já fica mais confiante também”, afirma Adas.
3ª Regra Respire devagar
O medo altera o ritmo respiratório, e é importante reverter este quadro para não sofrer consequências nefastas da falta de ar. “A respiração fica mais rasa e o cérebro, menos oxigenado, tem lapsos e entra e transe”, diz Chequer.
Minutos antes da apresentação, o ideal é respirar fundo e devagar. Mais oxigenado o cérebro tem mais poder de concentração. Durante a exposição, a respiração deve continuar no ritmo tranquilo.
Pequenas pausas no discurso são indicadas pelos especialistas. De um a dois segundos de parada fazem muita diferença. “Assim evita-se o uso de palavras vazias, como o ‘né’, ‘bom’, ‘então’, diminui o ritmo para quem tem o hábito da falar rápido, transmite segurança e coragem”, diz Chequer. 

Confira também: 10 dicas de grandes empreendedores para você aplicar hoje.

Se você procurava aprender a empreender, com certeza teve diversas infirmações que vão ajudar muito você! E se quer mais uma, que tal começar por criar ou redesenhar a identidade visual de sua empresa? Com a We Do Logos você cria logotipos, slogans, papelaria e muito mais para sua empresa de forma muito ágil e rápida. É só se cadastrar no site, fazer seu pedido e já estará recebendo, em 24 horas, dezenas de sugestões para valiar e pedir ajustes, até escolher a melhor para sua empresa.

CTA08-Blog2016-600x200px-Logo

We Do Logos