Gestão financeira para pequenas empresas

A gestão financeira empresarial é um dos aspectos mais relevantes para a boa administração de uma empresa. Porém, muitos empreendedores possuem dificuldades na hora de identificar os problemas que necessitam de uma maior atenção. Especialistas em finanças afirmam que muitas destas dificuldades enfrentadas pelas pequenas empresas são referentes ao fluxo de caixa, por exemplo.

O especialista em finanças, Joseph Anthony, cita 10 dicas para que pequenos negócios melhorarem a sua gestão financeira empresarial. Veja!

1 – Quais são os seus bens?

Os bens são todas as coisas que a empresa possui, desde imóveis até contas bancárias ou mercadorias. Aqui, você deve fazer um levantamento do valor estipulado de todos estes objetivos.

É preciso ter atenção: para fazer uma projeção real desta quantia, é necessário contar com as mudanças ocorridas em seus valores durante o tempo, seja a valorização ou desvalorização daquele preço. Os equipamentos e móveis perdem seu valor com o passar do tempo, por isso é bom acompanhar a desvalorização desses objetos.

2 – Quais são seus custos?

A próxima etapa para colocar a sua vida financeira em dia é ter um controle de gastos na sua empresa. Faça um levantamento detalhado de todos os custos que ela tem, desde aluguel até o salário de seus funcionários.

Dessa maneira, ficará muito mais fácil gerir eficazmente seu orçamento.

Além disso, é preciso ter cuidado com os empréstimos. Fique atento e preste atenção em quanto a empresa pagará de juros caso firme o acordo. Pois, além destes empréstimos, há as contas de aluguel, luz, água, salário de funcionário e os impostos em cima dos mesmos. Para que o empréstimo não se torne um problema na vida financeira do empreendimento, é necessário planejamento para pagar todas as suas parcelas em dia.

3 – Quanto custa para produzir o que você vende?

Para quem compra mercadorias e revende é mais fácil de calcular o valor de custo de cada produto.

Se você fabrica seu produto, este cálculo pode ser um pouco mais complicado. Para realizar esta equação é necessário somar tudo o que entra na produção. Esta atitude é necessária, pois apenas assim é possível montar uma boa planilha de planejamento financeiro e gerir melhor sua empresa.

4 – Quanto custa para vender o que você vende?

Saiba quanto custa para vender seu produto. Desde valores gastos em propaganda, até com a mão de obra, armazenamento e despesas gerais.

Para economizar nesta área, uma boa dica é apostar na propaganda online. Ou seja, nas redes sociais da empresa. É claro, este tipo de anúncio também tem seu custo, mas, se a sua estratégia for bem delimitada e direcionada, ela poderá atingir muitas pessoas. Logo, o valor, muitas vezes, compensará.

5 – Qual é a sua margem de lucro?

A margem de lucro precisa estar sempre estável, igual ou superior. Se ela diminuir, deve-se pensar em reajustar os preços ou custos. Por exemplo, se a margem de lucro é similar todos os meses ou estiver aumentando, você está cobrando os preços certos. Caso a margem diminua é necessário o ajuste do preço dos seus produtos ou os custos de fabricação.

6 – Qual é o índice de dívidas?

Esse índice indica quanto a sua empresa pertence a outras pessoas. Se o índice sobe, pode ser um mau sinal. Sua empresa pode estar crescendo, mas pode indicar também um descontrole.

7 – Qual é o valor das suas contas a receber?

Nem sempre suas vendas serão todas pagas a vista. Por isso, é de extrema importância manter um controle daqueles valores que o negócio ainda tem para receber. Saiba quanto as pessoas devem para a sua empresa.

Se as contas a receber aumentam, atenção: significa que os clientes não estão pagando. Se identificar este problema, o melhor a ser feito é traçar uma estratégia para reverter o quadro, seja com propostas de novos acordos de pagamento ou descontos nas compras já realizadas.

8 – Quanto tempo leva para você cobrar as contas a receber?

Para entender esse lastro temporal, você precisa saber quantas vendas são realizadas por dia, em média, e dividir o montante pelo número de contas a receber.

9 – Quais são as contas a pagar?

O aumento nas contas a pagar reflete uma demora em seu pagamento ou uma quantidade maior de compras. Se esse aumento não foi planejado ou está sem controle é hora de rever a força financeira de sua empresa, que pode estar em queda.

10 – O que está acontecendo com seu estoque?

Se o valor dos itens que você vende ou produz estiver em baixa, vale investir no estoque. Leve em consideração o tempo que ele leva para ser vendido, isso ajuda a saber se os seus negócios estão diminuindo ou crescendo.

Controlando o estoque, pode-se impedir que o dinheiro seja gasto em algo que no momento não é necessário.

11 – Quais erros você poderia evitar?

Para fazer uma boa gerência de seu negócio é preciso pensar o máximo possível sobre os erros que podem ocorrer no meio do caminho e como evitá-los.

Nesta lista, podemos colocar, principalmente, os valores referentes ao fluxo de caixa. O que isso significa? O fluxo de caixa nada mais é do que a entrada e saída de dinheiro em todos os setores e etapas de produção da empresa. Em algumas situações, empreendedores não levam em consideração gastos que consideram insignificantes, mas essa atitude deve ser evitada. Isso porque, ao final de determinado período, os pequenos gastos podem fazer verdadeiros rombos em seu orçamento.

Por isso, é crucial anotar todas as operações financeiras dentro da empresa, desde o marketing até o estoque, por exemplo.

Outro erro bastante comum é não saber a origem daquele dinheiro que entra na empresa. Algumas pessoas acham que uma boa gestão financeira empresarial leva em consideração apenas a quantia total, mas isso não é verdade. Tão importante quanto saber este valor final, é descobrir quais são os hábitos de seus clientes. Quais produtos vendem mais? Quais não saem do estoque? Quais produtos seus clientes mais gostam?

A empresa somente vai saber dessas informações ao manter atualizados os lançamentos de vendas de cada produto e serviço comercializado. Com essa atitude, também ficará mais simples montar estratégias de marketing e descobrir seu público-alvo.

Outro deslize comum na gestão financeira de empresas é não ter um fundo de reserva para demissão de funcionários. Este custo, apesar de nunca planejado, é bem corriqueiro e a falta de planejamento pega o empregador de surpresa. Para não ter contratempos, se prepare bem para o fato de que qualquer demissão de funcionários ocasiona pagamentos diversos de benefícios. Por isso, sempre tenha um fundo emergencial para esses casos.

Para receber mais dicas de gestão financeira empresarial, siga a nossa página no Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *