Sopa de letrinhas… intragável

Por Julio Ernesto Bahr

 

Separe um punhado de Cheltenham Light.
Acrescente meia pitada de Kabel Medium.
Misture com uma boa porção de Comic Sans MS.
Polvilhe com American Typewriter Italic.
Coloque ainda algumas gotas de Trebuchet MS Bold. Se preferir, inclua ligeiras amostras de Times New Roman, Bodoni MT Black e Copperplate Gothic Light.
Deixe de molho por uma boa meia-hora.
Voilà! A sua mistura criativa mais-do-que-imperfeita está prontinha para ser… execrada.

 
Alguns produtores gráficos adoram usar uma mistura inacreditável de fontes e tamanhos de tipos – simplesmente porque lá estão eles, tão facilmente disponíveis em seus computadores… Essa falta de conhecimentos sobre a arte da tipologia deixaria o velho Prof. Antônio Sodré Cardoso de cabelos em pé. Um grande número de publicitários formados nas décadas de 1950, 1960 e 1970 teve aulas com o Prof. Antônio Sodré Cardoso, ou, pelo menos ouviu falar dele.

 

 
Este homem foi um dos maiores conhecedores das artes gráficas em São Paulo, transmitiu seus conhecimentos para produtores gráficos e diretores de arte da época e acabou recebendo uma honraria reservada a pouquíssimos mortais: tornou-se Professor Honoris Causa em artes gráficas, mesmo sem formação universitária e tendo adquirido seus conhecimentos apenas pela prática profissional.Ele nos ensinou sobre a evolução da escrita, a história e o desenvolvimento das artes gráficas no Ocidente e no Oriente, a classificação dos tipos e, principalmente, sobre a aplicação das artes gráficas em trabalhos publicitários.

 

 
Hoje, vários trabalhos gráficos entre anúncios, folders, out-doors, embalagens e outras peças, levados ao público, resultam em tais aberrações na escolha e na mistura da tipologia, que vêem anulados todo o seu eventual impacto criativo. Dentre os ensinamentos do Prof. Cardoso, ficaram retidos na minha memória alguns conceitos que procurei utilizar nas minhas criações gráficas:
“Não misture duas famílias de categorias diferentes no mesmo texto, salvo raras exceções…”

 

 

 


 “Cada tipo de letra, com uma pequena dose de imaginação, pode externar a própria idéia do produto ou serviço”.


 “Cuidado com os textos aplicados sobre cores: não deixe uma eventual leveza estética prejudicar sua boa leitura”.


“Textos de corpo pequeno em negativo sobre preto ou sobre cores escuras, geralmente requerem tipos bold”.
“A escolha das fontes e dos tipos adequados é tão importante quanto a própria criação da peça gráfica”.

 


Consumidores irados, que vêm sofrendo de indigestão crônica causada por sopas de letrinhas intragáveis, certamente agradecerão o uso de novas e atraentes receitas em trabalhos de artes gráficas.

 

 

 

Julio Ernesto Bahr, paulistano, publicitário, articulista, escritor. Londrinense desde 2004. Autor do livro de contos “Encontro na barca e outras histórias de bahr”. Tem vários contos incluídos em antologias e artigos inseridos em blogs. É Sócio Cultural da Academia de Letras, Ciências e Artes de Londrina.[abaixo]

 

 

 

As opiniões expressas nesse artigo não representam necessariamente a opinião da WDL. O texto faz parte da nossa sessão posts abertos para colaboradores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *