Linha de crédito e investimentos: como conseguir financiamento para abrir empresas?

Abrir empresas no Brasil é uma atividade complicada. Principalmente, para quem está começando agora, as dificuldades e obstáculos para empreender são os mais variados possíveis. Porém, a grande maioria deles envolve uma coisa em comum: dinheiro. Por isso, saber como conseguir financiamento é o tipo da informação útil que todo empresário precisa conhecer.

Na maioria das vezes quem está começando, vai criar um negócio do zero, precisa “se virar” para conseguir a quantia certa e iniciar seu empreendimento. Vários empreendedores optam por se desfazer de seus bens, vendendo carro, imóvel ou qualquer outro artigo de valor que possibilite a realização desse sonho.

Também existem aqueles que recorrem a pessoas de seu convívio, arrecadando dinheiro com amigos e parentes para, enfim, ter condições de tirar sua ideia do papel.

Porém, uma alternativa para quem quer abrir uma empresa e ainda não tem o capital inicial suficiente é o financiamento. Seja por meio de empréstimos, captação de investimento ou crédito especial, existem várias opções para transformar seu empreendimento em realidade.

Dica: quer abrir sua empresa? Então você precisa conhecer o Guru PME.

Com um bom plano de negócios em mãos, é possível arrecadar não só recursos financeiros, mas também suporte em todas as etapas de criação de sua empresa.

Por isso, listamos abaixo os principais tipos de financiamento existentes no mercado. Se você quer abrir uma empresa e não possui o dinheiro necessário, e não tem ideia de como fazer financiamento, confira nosso artigo e saiba a quem recorrer!

calculo de roi

Saiba mais: Automatizar processos financeiros: essa conta fecha!

Como fazer financiamento para empresas?

1. Procurar um sócio investidor

Na falta de dinheiro do próprio bolso ou de conhecidos para financiar seu negócio, os empreendedores têm a opção de buscar um sócio investidor para abrir empresas. Geralmente, esse investimento funciona ao oferecer parte da empresa, ou participações no seu lucro, em troca do dinheiro.

É uma boa alternativa, pois se trata muito mais de atrair um “parceiro” para trabalhar junto ao empreendedor do que apenas um mero investidor interessado exclusivamente em ganhar dinheiro. Por se tratar de uma sociedade, espera-se que essa relação seja de longo prazo e que o sócio esteja disposto a assumir todos os riscos do negócio junto a você.

A fórmula tradicional, onde um sócio entra com trabalho e outro com o dinheiro, pode dar certo. Porém, é necessário que as regras do jogo estejam claras desde o início: a participação e distribuição de lucros de cada um devem ser definidas em contrato antes que o investimento aconteça, assim como todas as obrigações e direitos que cada sócio terá na empresa.

2. Recorrer a empréstimos bancários

Pedir empréstimo ao banco é outro recurso bastante solicitado por quem quer empreender. Afinal, não tem como conseguir um financiamento sem pedir empréstimo, concorda?

Normalmente, as instituições financeiras já possuem linhas de crédito específicas para empresários, atendendo desde o público que quer abrir empresas até aqueles que já estão estabelecidos e precisam de capital para expandir suas atividades.

Porém, as linhas de crédito dos bancos convencionais cobram taxas de juros elevadas. Uma utilização de crédito mal planejada pode comprometer todo o negócio. Por se tratar de um empréstimo, e não de um investimento, o empreendedor está sozinho nessa: o banco não fica comprometido com o risco da empresa e cobrará o valor emprestado mesmo se tudo não der certo. Nesse contexto, como fazer financiamento para a empresa com segurança?

Por isso, é preciso avaliar bem se recorrer a um empréstimo bancário é a melhor opção. Se o negócio não se provar rentável, o empresário pode arruinar não só com as finanças da empresa, mas também com sua vida financeira pessoal.

Veja mais: Entrevista: 3 empreendedores bem sucedidos contam segredos

3. Encontrar fundos e investidores de capital de risco

O capital de risco, ou venture capital, é uma modalidade que vem crescendo em ritmo acelerado no Brasil. Muito utilizado no exterior, esse tipo de aporte financeiro tem o objetivo de apoiar negócios que ainda estejam em fase inicial de desenvolvimento.

Por meio dos fundos de capital semente (seed capital) e investidores anjo (angel investiment), o capital de risco é uma excelente alternativa para quem possui uma ideia inovadora e ainda está tirando seu projeto do papel.

Mas pode cintar que você terá que ter um belo planejamento de negócio elaborado, assim como um plano de marketing da empresa e outros elementos de análise na ponta da língua, como as famosas forças, fraquezas, oportunidades e ameças da matriz SWOT.

Por meio dele, o investidor fornece uma quantia inicial para o empreendedor começar em troca de um percentual na empresa. Logo, como o próprio nome sugere, o investidor também assume parte do risco do negócio, pois se ele não der certo, o empreendedor não fica obrigado a pagar nada para quem forneceu o dinheiro.

Os investidores de risco, normalmente, buscam projetos com alto potencial de crescimento — já que o objetivo é multiplicar o investimento inicial a medida que a empresa se valoriza no futuro. Logo, o empreendedor precisa provar que seu negócio é realmente viável e tem potencial de grande expansão.

4. Entrar em um programa de incubadora de empresas

Para quem desenvolve pesquisas e projetos inovadores, uma saída de como conseguir financiamento para montar e viabilizar um modelo de negócios é recorrer às incubadoras. Esse tipo de instituição é especializada em fomentar e apoiar novas iniciativas empreendedoras, fornecendo estrutura e orientação necessárias para começar.

Para ser aceito em uma incubadora, é preciso passar por um processo seletivo, que avaliará o potencial do negócio e a capacidade da equipe em realizá-lo.

Nem todas oferecem a aplicação de capital diretamente na empresa. Na maioria das vezes, o investimento acontece por meio de recursos subsidiados, como instalações físicas e infraestrutura, acesso à tecnologia e serviços básicos compartilhados, que, com certeza, reduzem os custos para manter o empreendimento, tornando-o bem mais viável.

5. Fazer uma campanha de financiamento colaborativo

O “crowdfunding” ou financiamento colaborativo é uma modalidade de sites de “crowdsourcing em que o recurso capitado não é tempo, talento ou trabalho, mas dinheiro!

É uma alternativa de como fazer financiamento para empresas e empreendimentos que vem crescendo bastante em popularidade, principalmente na internet. Por meio de plataformas virtuais específicas para esse tipo de financiamento, o empreendedor anuncia seu projeto, descrevendo o que pretende fazer, como fará e o valor que está precisando.

A partir disso, o público que se interessar é convidado a contribuir financeiramente, doando a quantia que quiser, até que a meta do financiamento seja atingida. Tem maneira mais colaborativa e democrática de como conseguir financiamento?

Normalmente, o projeto oferece em troca certas “recompensas”, para quem ajudar, que podem ser desde um simples agradecimento até prêmios mais substanciais, como brindes e produtos relacionados ao projeto.

Porém, essa não é uma opção para todos. As plataformas de financiamento colaborativo costumam ser voltadas para tipos de negócios específicos, ligados à criatividade, inovação e projetos de impacto social.

Além disso, para ter sucesso em um financiamento colaborativo, o projeto precisa de uma estratégia de marketing bem trabalhada, para ser bem divulgado e conseguir um apelo mais forte com o público.

Veja também: 2 vídeos de empreendedorismo para quem quer abrir um negócio

6. Como conseguir financiamento com as linhas de crédito do BNDES

Uma alternativa para fugir de juros altos é recorrer às linhas de fomento do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES). A instituição é especializada em apoiar empresas e oferece diversas opções de financiamento de acordo com a necessidade do negócio.

As linhas de crédito oferecidas pelo BNDES abrangem diversas operações, desde capital para abrir empresas, aportes para capital de giro, aquisição de máquinas, insumos e serviços, até investimentos em inovação. Porém, todas as operações são concedidas por meio de bancos conveniados e não pelo BNDES diretamente.

As principais opções que o BNDES fornece são:

  • BNDES Automático: financia projetos de implantação, expansão e modernização de empresas, no valor de até R$ 20 milhões, em qualquer setor de atuação. Possui condições especiais de pagamento para micro e pequenas empresas, com juros abaixo da média do mercado e prazos de pagamento melhores.
  • BNDES Microcrédito: oferece financiamento para o micro empreendedor formal ou informal, para investimento e capital de giro, por meio das instituições de microcrédito que repassam de seus recursos. O valor do financiamento, o prazo de pagamento e a taxa de juros são determinados pelo banco responsável pela operação, de acordo com limites preestabelecidos.
  • BNDES Finame: financia a aquisição de máquinas e equipamentos novos, credenciados no BNDES e de fabricação nacional. Não possui limite de valor e oferece condições especiais para o setor agrícola, industrial, e de infraestrutura e transportes.
  • Cartão BNDES: oferece financiamento para micros, pequenas e médias empresas por meio de um “cartão de crédito”, onde o empresário possui um limite de até R$ 1 milhão para comprar equipamentos, máquinas e veículos cadastrados no sistema do BNDES. O pagamento é realizado mensalmente e as faturas podem ser parceladas em até 48 vezes, com uma taxa de juros pré-fixada.

Seja qual for o caminho escolhido, não tem como fazer financiamento para empresas sem estudar todas as alternativas e montar um planejamento muito bom antes de procurar financiamento  sem para abrir a sua empresa. Ter um plano de negócios bem estruturado é fundamental para conseguir um bom investimento.

Se você pretende abrir um negócio, vai precisar de um logo, confira quanto pode custar um:

quanto-custa-um-logo

Agora que você já sabe como conseguir financiamento para abrir empresas, não perca mais tempo e corra atrás do seu sonho! Se você gostou do artigo, assine nossa newsletter e receba mais conteúdos do tipo diretamente em seu e-mail!

We Do Logos